Entre os muros e grades da prisão: o trabalho do professor que atua nas ‘celas’ de aula

Autor: Gesilane de Oliveira Maciel José

Resumo: Esta tese está vinculada a Linha de Pesquisa Políticas Públicas, Organização Escolar e Formação de Professores. Tem como objetivo investigar como ocorre o processo de trabalho e as condições sociais e materiais do docente que atua em escolas inseridas em prisões. Para alcançar o objetivo proposto, foram estabelecidos cinco eixos de análise, quais sejam: (i) investigar como se configuram o sistema prisional e o tratamento penal balizado pelos direitos humanos; (ii) analisar os principais documentos direcionados às políticas internacionais e nacionais a respeito da educação em prisões; (iii) identificar como se organiza a escola que atende unidades prisionais e as condições materiais e físicas para o desenvolvimento das atividades; (iv) analisar a função do professor e suas relações contratuais de trabalho; e, (v) avaliar o processo de formação docente que leciona para pessoas privadas de liberdade. Como lócus da pesquisa, delimitou-se o estado de Mato Grosso do Sul, com docentes que atuam com a educação de jovens e adultos em unidades prisionais de diferentes municípios. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com abordagem investigativa, realizada por meio de entrevistas narrativas. Optou-se por essa metodologia visto que é um dispositivo que potencializa a compreensão das trajetórias pessoais e profissionais estabelecidas no interior do cárcere. O estudo mobiliza pistas de que o trabalho do educador desenvolvido no interior de estabelecimentos penais realiza-se em condições frágeis e inadequadas, tanto nos aspectos de formação, como na ampliação da jornada de trabalho sem o reconhecimento formal e a devida valorização do professor. Tais condições geram, por consequência, sensação de insegurança profissional e falta de perspectiva de ascensão na carreira. Assim, a pesquisa demonstra que a qualidade do trabalho pedagógico, depende, quase que exclusivamente, do interesse e compromisso político e social do professor. Este fato pode impedir que o profissional desempenhe plenamente seu papel, de modo a contribuir com a promoção de uma educação que atenda as necessidades formativas do estudante. Faz-se necessária, portanto, a implementação de políticas de formação adequadas e contextualizadas com a realidade do sistema prisional e dos alunos privados de liberdade, amparadas, sobretudo, por princípios democráticos, éticos e políticos, desatados do regulamento da lógica do capital e a favor da autonomia intelectual do professor.

Orientador: Yoshie Ussami Ferrari Leite

Área de concentração: Educação

Instituição:  Universidade Estadual Paulista Ano: 2019

Download: PDF

Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, pós-graduanda em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.