Tecendo práticas educativas e recontando histórias do Projeto Cineclube Fênix com mulheres na condição de privação de liberdade

Autor: Flávia Thayanne Barbosa de Sousa

Resumo: O filme se torna um importante recurso de inclusão social e educacional quando introduzido em espaços que possam propiciar a interação e integração de pessoas em condições de privação de liberdade. Este estudo, tem como proposta refletir sobre o papel educacional do filme na reconstituição das memórias vividas por mulheres apenadas na Penitenciaria Regional de Campina Grande Raimundo Asfora – PB, através da ação metodológica do CineClube Fênix. Trata-se de uma experiência de pesquisa enquanto monitora no projeto de extensão Cineclube Fênix: O cinema como espaço de leituras no Campus avançado do Serrotão – PB. Objetivo geral deste estudo é refletir sobre o papel do filme na vida de mulheres apenadas através da ação educativa do projeto Cineclube Fênix na unidade prisional de Campina Grande tendo como eixo balizador as ações extensionistas empreendidas nesta espacialidade. Trabalhamos na perspectiva de Ferro (1992), Christian Metz (2007), Foucault (2014), Goffman (1961). Nossa abordagem metodológica está centrada em uma pesquisa bibliográfica e documental, onde utilizamos a historiografia sobre o tema e imagens fotográficas realizadas durante a pesquisa feita e a partir de nossas reflexões do projeto realizado. Consideramos que a ação extensionista no contexto das unidades prisionais pode viabilizar a integração de sujeitos apenados através do trabalho com o filme na integração e ressignificação na vida de mulheres.

Orientador: Patrícia Cristina de Aragão

Área de concentração: História

Instituição:  Universidade Estadual da Paraíba / Ano: 2017

Download: PDF 

Tags , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, pós-graduanda em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.