A educação profissional nos complexos penitenciários do Distrito Federal – Papuda : uma perspectiva de ressocialização

Autor: Gabriela Jaqueline Barbie de Jesus Linhares

Resumo: O presente trabalho reúne uma reflexão sobre a importância da construção de um olhar pedagógico em relação às sanções para a reeducação dos apenados a sociedade. O tema foi escolhido a partir da vivência por quatro anos na educação profissional no sistema prisional. Questão que me instigou a entender melhor esse tipo de educação tão pouco difundida e respeitada em seus direitos e particularidades. Objetiva-se identificar a importância da educação profissional no processo de ressocialização. A educação profissional no sistema prisional é uma abordagem nova e que tem sido pouco estudada no ramo da ciência da educação sendo uma área de extrema importância dado que seu objetivo vai além do aprendizado cognitivo. Trata-se do processo da educação em uma perspectiva da ressocialização social de presos que estão cumprindo medidas de penalização por conflito com a lei. Nesse processo, a educação é um fator preponderante e de extrema importância na reinserção do preso na sociedade de forma que, subsidie o mesmo com conhecimentos e habilidades para conseguir um emprego no mercado de trabalho. Poderia até dizer, que é uma oportunidade para o preso ter uma profissão e trabalhar na área de competências. A educação está ligada diretamente com o mundo do trabalho, de forma objetiva pode-se inferir que quanto maior for o grau de escolaridade, maior será a possibilidade de se conquistar um cargo maior no mercado de trabalho. Nota-se que ao longo dos anos a relação educação e trabalho foi estabelecido no currículo apenas com a intenção de preparar mão de obra qualificada para atender as demandas do capitalismo valorizando menos questões de qualidade e crescimento do sujeito. Foi evidenciado nos resultados das pesquisas que a educação prisional ainda tem que percorrer um longo caminho até concretizar na prática o que é colocado na teoria. Em suma, é importante salientar que a educação em si não ressocializa um detento na sociedade, mas em conjunto com políticas públicas eficazes e preventivas, apoio social e da família, podem ser fatores que condicionam a ressocialização.

Orientador: Sônia Marise Salles Carvalho

Área de concentração: Educação

Instituição:  Universidade de Brasília / Ano: 2016

Download: PDF

Tags , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, especialização em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS e MBA em Gestão da Informação em Saúde pela UNISA. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo (FACIS) e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.