“Quero levar sonhos para presídio”, diz detenta que tem projeto de leitura

Elidiane Barbosa acredita que os livros podem trazer a liberdade para dentro na Penitenciária Feminina.

Leitura: ação que conduz à liberdade infinita e à fuga da realidade. Presídio: lugar de sonhos interrompidos. Esta foi a contradição revelada em uma conversa que teve início dentro do simples auditório da Penitenciária Feminina de Teresina. Naquele momento, o local estava sem energia elétrica, mas era possível perceber facilmente a voz emocionada e ao mesmo tempo empolgada de Elidiane Barbosa, 38 anos.

Elidiane Barbosa, professora de Literatura, que tem um projeto de leitura voltado a detentas da Penitenciária Feminina (Foto: Assis Fernandes/ODIA)

A professora é acusada de ter matado o ex-marido em 2003. Condenada a 16 anos de cadeia, ela foi presa em Fortaleza, no início deste ano, e transferida para Teresina em fevereiro, onde divide uma cela com outras seis mulheres. Ela teve que se separar de suas duas filhas, do atual marido e da mãe. A falta momentânea de energia elétrica, que contribuía para o aumento do calor no ambiente, não calou o coração inquieto de uma mulher que tinha muito a dizer.

Antes de vir para o Piauí, Elidiane passou por uma experiência dentro da penitenciária de Fortaleza que foi essencial para não perder as esperança. O local tinha uma estrutura de biblioteca através da qual a professora poderia manter contato com o que sempre foi o seu mundo: as palavras.  “Em Fortaleza, eu percebi que as pessoas que estão lá, têm um coração maior do que aparentam. Eu conheci meninas que eram traficantes perigosas, mas que se preocupavam comigo, chegando a oferecer a própria comida para eu não passar fome. E assim eu fui entrando no mundo delas e acabei conhecendo pessoas maravilhosas”, explica.

Leia matéria completa

Tags , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, pós-graduanda em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.