Presas cursam ensino superior à distância em universidade particular de SP

Por: Guilbert Reino e Laura Cassano, SP1

Shirley é uma das detentas que fazem o curso de EAD — Foto: Misael Brito/TV Globo

A população carcerária do estado de São Paulo ultrapassa a marca dos 233 mil. São pessoas privadas de liberdade, cumprindo penas por crimes ou aguardando julgamento, sem muita perspectiva de futuro. Na contramão dessa realidade, 15 mulheres presas no regime semiaberto fazem parte da primeira turma de um curso superior tecnólogo em uma universidade particular, a Mackenzie, na modalidade EAD (ensino à distância).

O curso de Marketing, Gestão Comercial e Gestão em Recursos Humanos faz parte um projeto piloto, aplicado pela primeira vez no sistema penitenciário do estado de São Paulo.

Na prática, a única diferença do curso feito pelos alunos da universidade é que as detentas não têm acesso à internet durante a semana. A metodologia, o conteúdo e o certificado são os mesmos.

Leia a matéria completa

Tags , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, pós-graduanda em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.