Um estudo sobre o ensino de estatística nas prisões

Autor: Linimar Aguiar Fernandes

Resumo: É fato que o sistema prisional brasileiro se encontra com inúmeras dificuldades, dentre elas a superlotação, falta de efetivo, estruturas precárias e o não cumprimento com efetividade de algumas das leis de execução penal como, por exemplo, a de número 7.210 de 11 de julho de 1984, que, em seu art. IV, trata do direito à educação ao preso. Com uma população carcerária crescendo 7% ao ano, segundo o último censo realizado em 2014 pelo Departamento Penitenciário Nacional e Conselho Nacional de Justiça, o Brasil ocupa a 4º posição no mundo em número de pessoas aprisionadas atingindo um montante de 622.202 presos. Porém, apenas 13% têm algum acesso à educação básica. Diante dessa perspectiva, este trabalho tomou como objetivo aplicar e validar um produto educacional tendo como proposta o ensino de estatística básica com o intuito de minimizar a demanda da educação nos presídios e proporcionar acesso ao ensino para os apenados por meio de estudos dentro da própria cela. De natureza qualitativa, a pesquisa iniciou-se com a participação de seis presos de Ensino Médio e, em seguida, com mais 36 presos de Ensino Fundamental, totalizando 42. O local da pesquisa foi o interior de 6 celas compartilhadas por 7 detentos cada, localizadas na Penitenciária Estadual de Londrina II, em cada cela foi escolhido um preso com a função de tutor das atividades apresentas. Utilizou-se como aporte teórico Charlot, Bondía, Foucault, Freire, Ribeiro e Silva; com foco nas especificidades de ensino em uma realidade prisional e no cotidiano do preso, a fim de elucidar a questão de pesquisa que investigou como um estudo de estatística básica pode contribuir para a disseminação do ensino de Matemática nas unidades prisionais. Para balizar à análise dos dados referente ao planejamento, aplicação e validação de uma proposta, que configura o produto educacional desta pesquisa de mestrado profissional, elencam-se três eixos organizacionais: qual o interesse dos alunos em aprender estatística nos presídios, quem são esses alunos e como ensinar estatística básica na própria cela. A análise dos resultados mostrou que é possível tanto expandir o acesso ao ensino nos presídios como propor um material que estimule a reflexão e o planejamento da própria vida do aluno. Da validação do produto educacional é possível inferir que há potencial para o ensino de Matemática no espaço prisional, tendo em vista o respeito às especificidades do presídio e a contextualização do conteúdo de estatística, em consideração às multifaces identitárias que ali se encontram, somando-se às oportunidades de acesso ao preso de estudarem dentro de suas celas, o que configurou na situação em foco um processo educativo promissor que poderá ter continuidade face ao tempo de pena desses alunos.

Orientador:  Zenaide de Fátima Dante Correia Rocha

Área de concentração: Ciências Humanas:Educação:Ensino de Matemática

Instituição:   Universidade Tecnológica Federal do Paraná Ano: 2017

Download: PDF

Tags , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, pós-graduanda em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.