Sofrimento mental e satisfação no trabalho em professores de unidades prisionais em Porto Velho

Autor: Sandra Monteiro Gomes

Resumo: O estudo objetivou verificar o nível de sofrimento mental e sua possível associação com a satisfação no trabalho dos professores que desenvolvem suas práticas em unidades prisionais na cidade de Porto Velho- RO. Trata-se de um estudo de corte transversal. Para o levantamento dos dados utilizou-se três instrumentos estruturados: o questionário sócio-demográfico; o questionário Self-Report-questionnaire (SQR-20), e a Escala de satisfação no trabalho do OSI-Ocupational Stress Indicator, mensurada por meio de escala de Likert. Os resultados apresentaram que, 12,5% dos professores apresentam distúrbios psíquicos menores, considerados como indicadores de evidências de sofrimento mental. A satisfação no trabalho teve índices similares aos encontrados na literatura, apresentando a maior proporção nas variáveis intermediárias, ou seja, as suas maiores freqüências estão no intervalo de alguma insatisfação, com 32,28%; e 32,04% com alguma satisfação. O maior índice de insatisfação está na variável que se refere a salário, com 29,4%. A partir dos dados coletados neste estudo, pode-se indicar uma possível associação entre insatisfação no trabalho e sofrimento mental.

Orientador: Carlos Alberto Bezerra Tomaz

Área de concentração: Ciências da Saúde

Instituição: Universidade de Brasília / Ano: 2006

Download: PDF

Tags , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, especialização em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS e MBA em Gestão da Informação em Saúde pela UNISA. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo (FACIS) e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.