A biblioteca da penitenciária Desembargador Silvio Porto: história e práticas leitoras

Autor: Lívia Carvalho Teixeira Lins

Resumo: Pouco conhecemos sobre a estrutura do sistema carcerário brasileiro menos ainda sabemos sobre as práticas leitoras realizadas dentro do contexto prisional. Em princípio, compreendemos o espaço de leitura como um ambiente que nos dirige a uma prática de liberdade, que proporciona ao leitor penetrar em um mundo sem limites. Reconhecendo que um espaço direcionado à prática da leitura pode influenciar positivamente dentro de um contexto de clausura, o objeto de estudo deste trabalho é a biblioteca/sala de leitura da Penitenciária Desembargador Silvio Porto e as práticas leitoras. Levantamos os seguintes questionamentos: Como se constitui uma biblioteca no interior de uma unidade prisional? Que práticas leitoras existem a partir desse espaço? Contemplando o horizonte destas perguntas, esse trabalho tem como objetivo constituir a história da biblioteca/sala de leitura da Penitenciária Desembargador Silvio Porto, a fim de conhecer as práticas leitoras que se realizam a partir deste espaço. Para atender ao objetivo que propomos, observamos o espaço da biblioteca/sala de leitura desta penitenciária, os livros de catalogação e de empréstimos, realizamos registros fotográficos e fizemos entrevistas com o agente responsável pelo setor de ressocialização desta unidade e com o apenado responsável pelo espaço da escola/biblioteca. Esta pesquisa caracteriza-se por ser uma pesquisa de campo, de base bibliográfica e documental e se insere no modelo qualitativo interpretativista. Para melhor compreendermos as práticas de leitura realizadas no interior das bibliotecas, apoiamo-nos em autores como Manguel (1997), Chartier (1999), Goulemot (2011), Fisher (2006), Espíndula (2015), dentre outros. Aprofundando-nos nas temáticas das prisões nos amparamos em Foucault (1979, 2014). Podemos concluir que, infelizmente, a biblioteca/espaço de leitura é um espaço que funciona de forma precária, contudo, sem a devida atenção do poder público para seu efetivo funcionamento. Apesar do mau funcionamento e de todos os problemas que envolvem esse espaço, encontramos uma organização artesanal dos livros, que serve de orientação para os que utilizam esse espaço. Apreendemos que apesar de toda precariedade existente neste espaço, existe um acervo bibliográfico disponível para esse público e existem práticas leitoras intramuros, como o projeto clube da leitura, desenvolvido por uma professora voluntária, onde os encontros acontecem semanalmente com discussões e oficinas. Utilizando um livro a cada trinta dias, durante os encontros os apenados falam sobre as obras e escrevem uma resenha do livro.

Orientador: Maria Ester Vieira de Sousa

Área de concentração: Lingüística, Letras e Artes

Instituição: Universidade Federal da Paraíba / Ano: 2018

Download: PDF

Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, especialização em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS e MBA em Gestão da Informação em Saúde pela UNISA. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo (FACIS) e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.