Medida socioeducativa de semiliberdade frente ao estatuto da criança e do adolescente: abordagem da prática educativa

Autor: Amanda Sabino dos Santos, Érica Marta Fernandes da Silva, Juliana Cristina Maciel Martins, Juliana de Oliveira Silva

Resumo: O presente artigo busca analisar qualitativamente a atuação do pedagogo junto a adolescentes em conflito com a lei, assistidos pela medida socioeducativa de semiliberdade. Através da análise documental e de levantamento bibliográfico, investigou-se as políticas educacionais aplicadas, bem como o seu impacto na inclusão social dos adolescentes que cumprem a medida de semiliberdade. A partir do estudo de caso, buscou-se compreender, descrever e analisar a atuação de pedagogos que trabalham em Casas de Semiliberdade, instituições com características residenciais, que recebem adolescentes submetidos à medida socioeducativa de semiliberdade, no Munícipio de Belo Horizonte. Atingidos esses objetivos, foi possível constatar que, como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente, é direito do adolescente privado de liberdade, receber escolarização e profissionalização, sendo necessária a presença do pedagogo nesse processo.

Download: PDF

Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Cristina de Carvalho

Arquivista na NTX It Solutions, especialização em Gestão Eletrônica de Documentos pela USCS e MBA em Gestão da Informação em Saúde pela UNISA. Foi Bibliotecária na Faculdade de Ciências e Saúde de São Paulo (FACIS) e Auxiliar de Biblioteca na UNISA. Bibliotecária formada pelo UNIFAI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.